A revolução de energia sustentável ganhando impulso

Em 29 de Maio de 1975, a construção da maior usina de energia eólica do mundo, Tvindkraft, começou por meio da acção combinada de cerca de uma centena de camaradas. Três anos depois, o moinho de vento começou a produzir electricidade, e agora, 40 anos depois, ainda está produzindo.

Poucas pessoas no mundo da energia renovável conhecem a enorme importância que isso teve para o avanço da energia eólica e a inspiração que isto deu para uma revolução da energia renovável. Mas nós sabemos, e podemos ter muito orgulho disso.

Mais cedo ou mais tarde alguma empresa teria começado o desenvolvimento das modernas usinas eólicas, mas é seguro dizer que Tvindkraft acelerou isto por uma década ou mais.

Estamos hoje vendo os efeitos da revolução da energia sustentável da qual fizemos parte do arranque – aqui com as boas notícias das semanas recentes, tanto na tendência global, onde dificilmente uma semana se passa sem o anúncio de uma nova usina em grande escala usando o vento ou o sol como sua fonte de energia, ou algumas outras iniciativas favoráveis ao clima.

Notícias dos últimos dois meses sobre um crescente impulso

  • O bilionário Warren Buffet anunciou que está pronto para investir US$ 30 bilhões em energia renovável, e sua empresa acaba de encomendar 200 mega turbinas de energia eólica ao produtor dinamarquês Vestas para um projecto em Nebraska, nos EUA.
  • O produtor americano de veículos eléctricos, Tesla acaba de lançar seu sistema de armazenamento de baterias caseiro que se encaixa em uma parede na garagem ou em casa. Este “Powerwall” pode ser combinado com painéis solares e reduzir significativamente a factura mensal de electricidade, porque é programado para fornecer energia quando a electricidade da rede pública é mais cara.
  • Um novo recorde foi definido no pequeno país desértico, Dubai, na forma de menor preço já acordado para electricidade a partir de uma usina solar fotovoltaica – a 5 centavos de dólar por kWh. Isso está abaixo do preço da electricidade produzida com a queima de carvão, petróleo ou gás.
  • A Google investiu US$ 700 milhões em conjunto com a Solar City para financiar a obtenção de energia solar aos proprietários de casas dos EUA e pagarem simplesmente como fazem sempre para a companhia de energia. Tais iniciativas tornam muito mais fácil às pessoas a mudança para a energia solar.
  • O Fundo Global de Pensões do Governo Norueguês recentemente vendeu seus US$ 100 milhões de acções de 15 grandes empresas Indianas de carvão e energia, como parte de seu desinvestimento em poluentes de carvão.

Óptimas notícias como estas complementam novos dados sobre como uma revolução de energia renovável está ganhando impulso:

  • Em 2014, a quantidade de energia eólica e solar instalada ao redor do mundo cresceu 15% e 32% respectivamente. Energia solar agora é mais barata do que a média fornecida pela rede na Espanha, Itália, Austrália, Chile, Alemanha, Brasil e, em pelo menos 10 estados dos EUA.
  • Sistemas de energia renováveis (sem incluir grandes hidreléctricas) comportaram quase metade de toda a capacidade energética mundial em 2014. Grande parte desta energia renovável é produzida nos países em desenvolvimento.
  • O Japão, desde o desastre nuclear de Fukushima em 2011, instalou mais de dez gigawatts de capacidade de energia solar, ou seja, o suficiente para substituir a energia produzida anteriormente por dez reactores nucleares. O plano é duplicar isto até 2020.
  • 7,7 milhões de pessoas ao redor do mundo agora são empregados do sector de energia renovável.
  • A Noruega viu a compra de veículos eléctricos chegar ao número 50.000, e durante os primeiros meses de 2015, um de cada quatro carros novos comprados, é eléctrico.
  • Durante o primeiro trimestre de 2015, a Costa Rica não queimou uma só gota de óleo, carvão ou gás natural para gerar electricidade. Eles promoveram durante anos o uso de energias renováveis e, ao mesmo tempo, foram capazes de diminuir as tarifas de electricidade em 12%. Não só poucos e ricos têm acesso a essa energia limpa. 98% da população têm electricidade. (Um exemplo do que pode vir do desmantelamento dos militares, como o país decidiu fazer em 1949).

 

Uma revolução de energia sendo elaborada

Não se trata de uma revolução de um dia para outro. Também não há uma invenção ou elemento que faça com que estas mudanças aconteçam. É, antes disso, a combinação da rápida queda dos preços da electricidade solar, grandes quantidades de recursos de investidores privados e o governo indo atrás da energia limpa, a pressão de muitas pessoas para acabar com os investimentos em combustíveis fósseis, e novos sistemas no horizonte que tornam possível substituir plantas energéticas com produção descentralizada de electricidade.

É possível comparar a situação actual, com algumas anteriores, mudanças muito rápidas no uso da tecnologia.

Na década de 1970, a companhia IBM, líder de informática, ganhou dinheiro com enormes processadores para grandes empresas. Eles estimaram que o mercado de computadores pessoais seria minúsculo e, portanto, fizeram um acordo com a Microsoft para pagar uma taxa por cada computador usando o sistema operacional que a Microsoft tinha desenvolvido. Isto custou a IBM bilhões de dólares e a empresa logo foi ignorada completamente.

Até a década de 1990, todas as grandes empresas de telefonia se baseavam nas linhas fixas. Em muitas partes do mundo, no entanto, os telefones móveis se tornaram a nova regra, e os telefones fixos também estão entrando rapidamente em declínio na parte mais rica do mundo.

Ainda há algum caminho a percorrer antes vermos uma mudança semelhante no mundo da energia, mas não há dúvidas sobre a tendência.

Por que uma revolução energética?

A necessidade de uma revolução energética, substituindo nosso suprimento de energia da queima de combustíveis fósseis para fontes renováveis é agora bem conhecida.

Com a queima de combustíveis fósseis na enorme escala feita hoje, o planeta Terra está firmemente no caminho de recriar o quente clima de milhões de anos atrás, quando o carbono da atmosfera foi transformado em carvão, petróleo e reservas de gás.

Na Cúpula do Clima em Copenhague, em 2009, os governos concordaram, em princípio, em impedir o aquecimento de nosso planeta mais de 2°C desde o início da industrialização. Os Cientistas não sabem ao certo quanto combustível fóssil poderá ser queimado para manter esse limite. Isso depende da quantidade de carbono que permanece na atmosfera ao invés de ser absorvido pelos oceanos e plantas. Mas o mais recente estudo científico conclui que mais de 80% do carvão, 50% do gás e 30% do petróleo são “incombustíveis” sob o objectivo de limitar o aquecimento global a não mais de dois graus.

Mesmo a Agência Internacional de Energia, que pode ser considerada uma fonte bastante conservadora, escreve em seu “Energy Outlook” de 2014, que o mundo não pode emitir mais do que cerca de 1.000 giga toneladas de CO2 a partir de 2014. Com os negócios como de costume, isso será atingido já em 2040, significando que nenhum combustível fóssil deve ser queimado após essa data.

A fim de evitar que o mundo aqueça catastroficamente, é assim, fundamental em uma escala global acelerar a transição para energias de carbono-neutro como a eólica, solar e em alguns casos hidreléctricas, quando feito, portanto, as enormes áreas não são submersas.

Alemanha, mostrando que é possível ser renovável

O país que fez a maior mudança em sistemas de energia é, provavelmente, a Alemanha. Em 2010, a Alemanha definiu metas ambiciosas para corte de até 80% dos gases de efeito estufa antes de 2050, e parece que esta “Energiewende” (Transição de energia) está avançando. A energia produzida por fontes renováveis aumentou de 6% em 2000, para cerca de 30% em 2014.

A Alemanha, após Fukushima, decidiu fechar a última usina nuclear em 2022, e isso tornou mais difícil manter suas reduções planejadas de emissões (o processo nuclear não emite nenhum gás de efeito estufa). O resultado foi o aumento da produção da usina queimando carvão – o tipo mais poluente de carvão – e as emissões de gases de efeito estufa do país, na verdade aumentaram nos últimos anos. Mais energia, no entanto, é agora produzida a partir do vento, biogás, e solar combinadas do que de carvão e cada vez mais, melhor economia de energia solar tornará possível substituir em grande parte o carvão. A Energia solar tornou-se mais barata, e muito mais rápido do que a maioria dos especialistas previram, e seguirá assim.

O custo da energia de instalações solares em grande escala na Alemanha caiu de mais de 40 centavos de dólar/kWh em 2005 para 9 centavos/kWh em 2014. Em comparação, a electricidade a partir do carvão novo e usinas movidas a gás custam entre 5 e 10 centavos por quilowatt/hora e de usinas nucleares custam 11 centavos – sem estes preços incluídos os custos para o meio ambiente, sistemas de saúde e todos os tipos de subsídios.

Uma coisa que o governo alemão tem feito para apoiar sistemas de tetos solares é simplificar os processos de licenciamento para que os custos destes sejam apenas a metade do que nos EUA.

A transição tem sido boa para o emprego na Alemanha. Desde 2004, o número de pessoas empregadas no sector de energia renovável mais do que duplicou para 370.000 pessoas.

Outros exemplos de todo o mundo

A China é líder mundial em energia renovável. Seus investimentos em energia solar e eólica cresceram explosivamente de US$ 3 bilhões em 2004 para US$ 83 bilhões em 2014.

Especialmente para os painéis solares, este investimento chinês resultou em uma enorme queda nos preços. Também resultou em 3,4 milhões de chineses trabalhando no sector de energias renováveis.

A Índia é outro país em desenvolvimento indo para a energia solar, com investimentos em 2014 de US$ 7,4 bilhões.

O Deutsche Bank acha que os terraços solares serão tão baratos quanto a energia tradicional até 2016, em todos os 50 estados dos EUA. A Califórnia está na frente entre os estados americanos porque introduziu créditos fiscais atraentes para sistemas solares domésticos. O estado também exige que as três grandes empresas de energia devem obter um terço da sua electricidade proveniente de fontes renováveis (além da electricidade produzida a partir de sistemas solares domésticos). Isto forçou-os a investir em grandes projectos de energia solar que já estão produzindo electricidade na escala de usinas nucleares.

Compensa economicamente para os estados dos EUA apoiar as energias renováveis. O estado da Carolina do Norte, por exemplo, ganhou 4.300 postos de trabalho no sector de energia solar, que valem muito mais economicamente do que os subsídios que o estado gastou.

A África do Sul entrou, juntamente com a Indonésia, Chile, México, Quénia e Turquia, no clube de mais de bilhões de dólares em 2014, em termos de investimentos em energias renováveis.

A África do Sul depende de usinas de energia movidas a carvão para 70% da sua electricidade. Eles têm por anos sido atormentados por cortes de energia e agora estão construindo duas grandes usinas de carvão. Mas no momento em que começarem a entregar a electricidade, ela vai ser mais cara do que a que poderiam obter a partir de suas novas usinas de energia solares e eólicas.

Apenas nos últimos anos um grande número de plantas solares e eólicas já começaram a produzir energia, já fornecendo energia correspondente ao consumo de centenas de milhares de casas.

Uma delas é a maior fábrica de fotovoltaicos da África, a planta Jasper de 96 MW, com fornecimento de energia para mais de 80.000 casas sul-africanas.

Muitos outros grandes projectos solares e eólicos estão em construção, utilizando as excelentes possibilidades do país para as energias.

A questão do armazenamento de energia

África do Sul tem a primeira usina de energia solar concentrada (CSP) da África (50 MW) e várias maiores estão em construção. Estes sistemas produzem electricidade em geradores que funcionam com vapor produzido pelo óleo muito quente, aquecido pelo sol. Parte desse calor é armazenado sob a forma de sal fundido, e pode ser usado para criar o vapor quando necessário.

O problema do armazenamento de energia é frequentemente usado como um argumento contra as energias renováveis. O que fazer quando não há nenhum vento ou durante a noite quando o sol não está brilhando?

Grandes usinas de energia solar que produzem vapor podem usar o sistema de sal fundido ou outras maneiras para armazenar calor.

Novos tipos de baterias, no entanto, estão se tornando mais baratas e mais eficientes – como os painéis solares. A empresa americana Tesla produz veículos eléctricos e desde que as baterias compõem uma grande parte do custo, a empresa, em parceria com a Panasonic Corporation, começou a construir uma gigantesca fábrica de US$ 5 bilhões em Nevada que até 2020 irá produzir baterias para meio milhão de carros por ano. Eles esperam que este investimento possa resultar em uma redução substancial no preço.

A Tesla não visa apenas veículos eléctricos. O recém-lançado “Powerwall” pode armazenar a energia de painéis solares para que possa ser usada durante as horas que as empresas poder cobram mais caro. Esta bateria caseira de 10 kWh custa US$ 3.500, e o investimento tem um retorno bem rápido porque pode reduzir consideravelmente a conta.

Tesla também começou a vender um sistema de armazenamento para empresas com capacidade muito maior. Este “Powerpack”, da mesma forma também reduz a factura de electricidade e está sendo usado, por exemplo, pela gigante cadeia de supermercados Walmart, na Califórnia.

Com certeza, as companhias de energia não estão de todo felizes com isso, desde que podem ver seus lucros despencarem. Isso já está levando a conflitos com as pessoas que querem instalar os painéis solares em seus telhados. A questão é se as grandes empresas podem encontrar maneiras de parar este desenvolvimento. Não será fácil, desde que as casas se tornam cada vez mais independentes da grande rede eléctrica.

Isto será ainda mais evidente quando mais pessoas adquirirem veículos eléctricos.

Veículos eléctricos na estrada

O Banco suíço UBS prevê que em 2025, veículos eléctricos carregados com energia solar serão mais baratos de operar do que carros a combustível.

Nenhum fabricante de carro quer ficar para trás, e quase todas as grandes empresas desenvolveram seus modelos de veículos eléctricos e carros híbridos que podem funcionar com baterias e combustível.

A chinesa BYD (Construa Seu Sonho), em que um dos homens mais ricos do mundo, Warren Buffet tem investido, espera alcançar o mesmo número de vendas de baterias que Tesla também em 2020 com sua produção de baterias íon-lítio na China e no Brasil. Veículos eléctricos agora são mais vendidos na China do que nos Estados Unidos. BYD também está produzindo ônibus eléctricos nos Estados Unidos. Podem dirigir 24 horas com uma única carga e ter um tempo de carga de 2-4 horas.

A Noruega é líder em relação a veículos eléctricos, porque o governo decidiu apoiar este desenvolvimento através de várias medidas:

  • Os veículos estão isentos de taxas, IVA e outros impostos – uma grande parte do preço dos carros em países da Europa Ocidental
  • Estacionamento gratuito e recarga em muitas das cidades
  • Nenhuma taxa de pedágio nas estradas onde são cobrados
  • Podem trafegar nas faixas reservadas para ônibus e táxis

O governo dos EUA definiu a meta de ter 1 milhão de veículos eléctricos ou híbridos até 2015, e a Alemanha tem um objectivo similar para 2020 (tem até agora 21.000 carros eléctricos). Mas isso não acontecerá a menos que incentivos como os da Noruega que sejam oferecidos.

Combinação de veículos eléctricos com a rede

Uma das razões para a promoção de veículos eléctricos é a possibilidade de dar a suas baterias possibilidades de armazenamento em numerosos lugares – electricidade esta que pode ser usada quando há demanda de pico (tais como no fim da tarde, quando muitas pessoas estão preparando o jantar). Mais tarde, quando a demanda é menor, a bateria poderá ser recarregada.

O estado da Califórnia estabeleceu a meta que as três empresas de grande poder devem ser capazes de armazenar energia com a capacidade de gigawatts até 2020.

Assim, haverá uma demanda para baterias de automóveis armazenarem energia, e a cidade de San Diego na Califórnia recentemente decretou que todos as casas novas devem ser construídos assim, de modo que estejam prontos para painéis solares e carros eléctricos.

A Alemanha mais uma vez está provando ser uma pioneira através da criação de sistemas que não só combinam electricidade do sol e do vento, com veículos eléctricos e sistemas de armazenamento em casa. Eles mostram como dar o próximo passo – a criação de uma enorme rede independentes de mini-redes, que podem trabalhar em conjunto e, assim substituir as gigantes centrais nucleares ou usinas de energia movidas a combustíveis fósseis.

O sistema está sendo desenvolvido pela montadora alemã Volkswagen (VW), com apoio do governo e com o objectivo de mostrar que grandes usinas centrais não são essenciais para fornecer electricidade 24/7.

A VW já começou a vender seu sistema “Lichtblick” para apartamentos ou empresas.

O que eles vendem é um sistema que coordena a electricidade e aquecimento de fontes de energia renováveis, a armazena quando necessário, carrega baterias quando possível e fornece energia eléctrica para sistemas vizinhos, se isso for preciso.

Como reserva para os períodos com pouco vento ou sol, um gerador de gás é instalado para fornecer calor e energia. Tais geradores no futuro também podem funcionar em plantas carbono-neutro a biogás ou óleo.

100.000 dessas unidades compõem uma usina virtual correspondente a saída de calor e electricidade de dois reactores nucleares.

Os sistemas são coordenados para que os geradores só precisem iniciar quando há falta de energia eléctrica em uma área. Isto significa que eles são muito mais flexíveis e mais económicos do que o actual sistema de enormes plantas de energia.

O calor residual da queima do gás é usado localmente para aquecer os edifícios, e a eficiência é, portanto, muito mais alta em comparação com as grandes plantas.

Até agora, foram instalados vários milhares de sistemas, e a VW diz que o investimento de instalação disso em um pequeno hotel tem um retorno após três anos de uso.

Pode-se facilmente imaginar uma rede de tais sistemas, combinados com as baterias muito mais baratas e carros eléctricos que em breve estarão no mercado.

Electricidade descentralizada na Índia

Um exemplo da Índia mostra como pequenas redes independentes podem ser estabelecidas para fornecer electricidade a comunidades rurais. A fonte de energia aqui é o sol combinado com um tipo especial de grandes baterias (pilhas de vanádio-fluxo) que são usadas para fornecer energia a um grande número de torres de telecomunicações espalhados pelo país. A empresa desenvolveu um modelo de negócio, para que 5.000 aldeias sejam, eventualmente, conectadas através de um pequeno sistema de rede para a energia solar e armazenamento nessas torres. Seu objectivo é trazer electricidade para 10 milhões de pessoas na Índia rural até 2020.

Outro exemplo é a empresa Indiana, produzindo e instalando plantas de gaseificação que funcionam com resíduos agrícolas, tais como casca de arroz, e vender a electricidade a 25.000 famílias em 80 comunidades.

O vizinho Bangladesh mostra que é possível fazer um terraço solar tornar-se significativo. O Banco Grameen Shakti tinha até 2012 instalado sistemas solares em 1 milhão de casas e esperam alcançar o segundo milhão em 2016 – sistemas que são pagos de volta através de seu sistema de microfinanças. Além desses, o país tem outros 2 milhões de casas com terraço solar e criou 115.000 empregos neste negócio.

 

Com os sistemas de armazenamento gradualmente mais baratos que chegarão ao mercado na próxima década, haverá ainda mais possibilidades de desenvolvimento de produção de electricidade local carbono-neutro e evitar completamente a rede geral. Os cálculos mostram que se apenas 3 km de linhas de rede precisam ser instalados, então o preço da entrega de 1 kWh de energia eléctrica é muito mais barato através de mini-redes solares do que de uma estação de energia central movida a carvão.

A Índia tem potencial para ser um pioneiro na área de produção de carros que não poluam as cidades e que podem ser movidos com energias renováveis.

A Índia tem 13 das 20 cidades mais poluídas do mundo em relação ao ar. Parte desta poluição vem da queima de carvão, mas grande parte é o resultado da queima de diesel e gasolina em veículos. Veículos eléctricos não estão ao virar da esquina para a maioria dos proprietários de veículos na Índia, mas talvez o pequeno Airpod, esperado para ser lançado pela Tata Motors no final 2015, possa trazer menos poluição. Funciona 200 km com um tanque cheio de ar comprimido e somente o ar sai como exaustão. Isto pode, se conseguir o suporte necessário, significar em uma drástica redução da poluição nas cidades indianas. Claro, é necessária energia para comprimir o ar nas estações de “abastecimento”. A vantagem é que este carregamento pode ser feito nas horas em que há pouca demanda de energia (durante a noite, por exemplo). Mas o grande potencial é que esta energia pode ser carbono neutro. Imagine um número de estações de “abastecimento” produzir sua própria energia de painéis solares ou pequenos moinhos de vento e usá-la para comprimir o ar para estes carros.

Como acelerar a revolução energética?

Os exemplos mencionados até agora nos mostram que as tecnologias estão lá para sustentar a revolução da energia. Muito está acontecendo, e muito mais vai acontecer. Mas há, no entanto, forças também trabalhando contra este desenvolvimento – pense só as grandes empresas ganhando seus lucros a partir de combustíveis fósseis, que farão o possível para colocar obstáculos no caminho.

Como sempre, o progresso dependerá de muitas pessoas. Muitos montarão seus próprios sistemas, tais como painéis solares e baterias domésticas Tesla Powerwall. Ou muitas pessoas pressionando por melhores políticas – por exemplo, para acabar com os bilhões e bilhões de dólares em subsídios dados aos combustíveis fósseis.

A importância da pressão e da energia vindas de baixo

Alemanha oferece alguns bons exemplos de como influenciar políticas energéticas. Dois terços da capacidade de energia renovável do seu país é de propriedade comunitária, por exemplo, de 700 cooperativas de energia renovável, e aproximadamente 20 milhões de alemães vivem em áreas com objectivos a curto prazo de tornarem-se regiões de energia 100% renováveis.

Muitos alemães têm visto que precisam recuperar o controle sobre suas fontes de energia e distribuição. Grande parte dos negócios de energia foram privatizados na década de 1990, mas há um movimento popular para a “desprivatização”. Na cidade de Hamburgo, o povo votou recentemente para não só para retomarem as redes de energia da cidade, mas também porque Hamburgo deveria ter como objectivo alcançar “um abastecimento de energia socialmente justo, democraticamente controlado, respeitador do meio-ambiente e proveniente de fontes renováveis”.

Quarenta outras cidades alemãs da mesma forma têm retomado o controle sobre suas fontes de energia depois que estas haviam sido privatizadas e vendidas para gigantes, tais como a alemã E.On e a sueca Vattenfalls.

A campanha de alienação

Alienação ou desinvestimento, é a obtenção de grandes investidores, tais como doações de Universidade, fundos de pensões, igrejas, fundações e pessoas ricas, para vender activos que têm em empresas que contribuem para o aquecimento global.

Uma das inspirações para o desinvestimento vem do movimento “antiapartheid” e seu boicote na campanha da África do Sul, o que contribuiu grandemente para a queda do Apartheid.

Nos últimos anos, as campanhas de alienação têm sido muito bem-sucedidas e a pressão para alienar está crescendo a um grau que as instituições financeiras ainda conservadoras estão começando a perceber.

O governador do Banco da Inglaterra, assim, advertiu que a “grande maioria das reservas são não-combustíveis” e o banco está investigando o risco de manter activos de combustíveis fósseis que podem vir a perder valor.

O Parlamento Norueguês irá decidir provavelmente no início de Junho, se o Fundo Global de Pensão do Governo, deve se desfazer de todas as empresas que derivam 30% ou mais de seus negócios do carvão. Isso resultará em uma alienação de aproximadamente US$ 6 bilhões. O fundo é o maior de seu tipo no mundo, US$ 950 bilhões e consiste em dinheiro que a Noruega ganhou do seu petróleo.

O fundo Rockefeller Brothers, que tem toda a sua riqueza em lucros do petróleo, se comprometeu a vender o valor de US$ 50 milhões dos activos relacionados ao combustível fóssil.

Os alunos estão em muitos lugares, sucedendo-se na adesão de suas faculdades e universidades para alienar, e existem muitos mais exemplos.

A campanha de alienação não fará os preços das acções dos gigantes da energia despencarem assim. Ainda existem muitos investidores conservadores, acreditando em todas as projecções sobre o enorme papel que estas empresas ainda terão nas próximas décadas.

Caberá a muitas pessoas mostrar que esses eram maus investimentos e que deveriam ter investido na Google, SolarCity, VW, BYD, Tesla ou qualquer das outras inúmeras empresas que podem fazer parte da construção de um diferente cenário energético.

E além de suportar tais campanhas, muitos de nós precisamos continuar construindo alternativas desesperadamente necessárias – de formas de vida, modos de transporte, formas de trabalho e ficar totalmente independentes das gigantes redes de energia.

Advertisements